Se tudo lhe parece igual, olhe de novo

Ideias
Se você quiser pintar uma parede, hoje poderá escolher entre 2 mil cores em um catálogo comum. Apenas em tons de amarelo, haverão mais de 50. É amarelo. Ou melhor, são amarelos.

Se você procurar por fontes sem serifas no MyFonts, encontrará mais de 68 mil opções. Sim, sem serifas, aquelas com traços limpos, sem nenhum grande detalhe por natureza.

O excesso de escolhas que temos hoje traz problemas já bem estudados e documentados: leva à ansiedade e por vezes nos paralisa. Mas, sinceramente, eu não troco isso por um passado limitado como uma caixa de lápis de 5 cores.

Da Vinci escreveu que são os detalhes que fazem a perfeição, e que a perfeição não é um detalhe. Não acho que exista nada perfeito no mundo (ok, algumas obras do Leonardo? Bem, ele seria o primeiro a discordar). Mas, conhecer e compreender os detalhes pode ser um dos caminhos para navegarmos no oceano de opções sem naufragarmos.

Em tipografia, por exemplo, o espaço ao redor das letras é tão importante quanto o desenho das letras em si. Enxergar os detalhes e o seu impacto exige treino e tempo. Lembro dos meus primeiros dias na Dalton Maag, sob orientação de Ron Carpenter (se você era criança nos anos 80, imagine um Sr. Miyagi, só que da tipografia e com uma cordialidade britânica). Ele apontava errinhos nos meus desenhos que pareciam invisíveis. Eu concordava com a cabeça escondendo minha ignorância e voltava para a mesa e me debruçava sobre aquelas formas por um longo tempo, e, com o tempo, as coisas começavam a fazer sentido. Aprendi que não desenhamos tipografia com a mão ou o mouse, mas com os olhos. É preciso apurar o olhar, enxergar o que parece não estar lá, pois os detalhes não são detalhes.

Quando meu filho tinha 4 anos e estávamos em uma loja escolhendo calças jeans (todas muito parecidas), ele apontou o dedo decidido para uma delas. “Por que essa filhote?”, perguntei. “Porque a etiqueta é menor”, ele respondeu. O menor detalhe, que decidiu tudo.


Notícias relacionadas

Tchau apps: de volta ao papel

Desde sempre carreguei cadernos comigo, mais para desenhar letras do que escrever, se você me entende. Mania de designer. Escrever,…

Que diferença faz?

Escolher uma fonte ou outra? Um café com grãos moídos na hora, faz diferença? Um copo impecavelmente limpo, é diferente…